segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

O que um Psicólogo Estuda na Faculdade?


A Psicologia faz parte de um conjunto de Ciências chamadas “Ciências Humanas” (juntamente com a Fiolosofia…), “Ciências Biológicas” (juntamente com a Biologia, Neurofisiologia, Psicofarmacologia…) e “Ciências Sociais” (tais como a Sociologia e a Antropologia). Ou seja, é uma área muito rica, sendo importante o estudo de diversas áreas de conhecimento, até chegar no seu próprio objeto de estudo: o homem, sua história, seus pensamentos, sentimentos, seu desenvolvimento e o modo de se relacionar no mundo. Decorre daí a sua diversidade de abordagens e áreas de estudo em Psicologia, bem como o grau de interdisciplinaridade e convergência dos seus temas, sendo possível ao Psicólogo trabalhar em uma clínica, em um hospital, dentro de empresas, escolas, e em mais uma infinidade de setores.

É claro que nosso trabalho envolve a escuta ao paciente, mas se enganam aqueles que pensam que passamos cinco anos aprendendo somente a escutá-los – e são muitos os que pensam assim. A Psicologia é muito mais do que isso. Portanto, diante de tanto julgamento e de tanta riqueza, achei interesante separar algumas das matérias que nós, Psicólogos, estudamos ao longo do curso, como uma maneira de informar e de despertar o interesse daqueles que pensam em fazer esta gradução. Veja aqui dez disciplinas queridinhas das Faculdades de Psicologia: 


1. Biologia

Sim. Saímos do terceiro ano e somos obrigados a estudar mais um pouquinho desta disciplina, mas agora sem entrar em detalhes quanto às mitocondrias, citosinas e blá blá blá. Desta vez focamos nas Bases Biológicas do Comportamento Humano. Quando os estudos sobre a filosofia se uniram aos estudos da fisiologia, produziram o interesse pelo estudo da relação entre mente e corpo. Neste sentido, a Psicologia é parte da Biologia na medida em que os fenômenos que ambas estudam se dão no viver dos seres vivos. A Biologia é a base fundamental para todo o comportamento. Ela estuda a dinâmica das relações e interações dos animais entre si e com o seu meio, no qual cada animal opera como uma totalidade. Ou seja, é a Biologia quem indica que nós, seres humanos, assim como os animais, temos padrões de comportamentos próprios de nossa espécie.  

2. Sociologia

A Psicologia e a Sociologia, possuem objetos de estudo distintos. Enquanto a Psicologia tem como foco o indivíduo "homem", a Sociologia foca o seu estudo na sociedade. No entanto, um é parte fundamental do outro, já que não há sociedade sem homens, ao mesmo tempo que os homens são parte integrante de uma sociedade. Costuma ser uma matéria rica em debates e discussões sobre o modo de agir de cada cultura.

3. Filosofia

A meu ver, Filosofia e Psicologia são as Ciências Humanas mais próximas. Foi a Filosofia Grega o primeiro campo de conhecimento a estudar o psiquismo e a alma humana através da observação das atividades comportamentais. Nesta matéria estudamos, dentre outras coisas, o pensamento filosófico, a dimensão constitutiva do ser e o autoconhecimento. Também costuma estar na grade inicial do curso e trata-se de uma das matérias mais importantes de toda a graduação, ainda que muita existam pessoas que não costumam dar a seriedade devida aos famosos Platão, Descartes, Kant e companhia.  

4. Neurociências

O cérebro é, sem dúvida, o órgão mais incrível do ser humano. Todas as nossas emoções, sensações e pensamentos são procesados por ele. A Neurociência estuda o funcionamento do cérebro sob a ótica do sistema nervoso e suas estruturas, e a Psicologia faz uma análise detalhada da nossa mente, bem como a forma como cada um processa a informação e as experiências que deteminam a essência do nosso comportamento. Reaprendemos sobre sinapses nervosas e neurônios, descubrimos uma infinidade de lobos cerebrais, funções e plasticidade cerebral. Algumas faculdades investem em aulas em laboratório, inclusive. 

5. Processos Psicológicos Básicos

É o estudo das funções mentais básicas, tais como a Sensação, Percepção, Emoção, Atenção, Memória, Pensamento, Linguagem, Motivação, Aprendizagem, etc… derivadas tanto de procesos inatos, como também das interações estabelecidas ao longo da vida. Nesta matéria estudamos como estes procesos dependem uns dos outros para existirem, e como a ausência ou danos em um deles pode interferir no desenvolvimento e funcionamento das demais estruturas.  

6. Psicologia do Desenvolvimento

É o estudo científico das mudanças de comportamentos relacionadas a idade durante a vida de uma pessoa – Infância, Adolescência, fase Adulta e Terceira Idade. Examina desde aspectos físicos até os psicológicos, ou seja, desde habilidades motoras, até a capacidade de resolução de problemas, entendimento conceitual, linguagem, independência, moral, identidade, preconceitos e o papel que os individuos de cada idade têm dentro de uma determinada cultura.


7. Análise do Comportamento Humano

Você provavelmente já perguntou a um Psicólogo se ele estaria te analisando. Pois bem, talvez sim, talvez não... O fato é que sim, aprendemos a fazê-lo. Como o nome sugere, a Análise do Comportamento Humanos estuda o comportamento a partir da interação do indivíduo entre organismo e ambiente, ou seja, se preocupa com as condições ambientais em que determinado organismo se encontra e estuda como isto pode influenciar em seu comportamento. Costumamos realizar a Análise Comportamental não só com seres humanos, mas também com os famosos ratinhos de laboratório dentro da caixinha de Skinner - inclusive, os ensinamos a beberem água.    

8. Psicopatologia Geral

É a área do conhecimento que estuda os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental - os chamados transtornos mentais. Está na base da psiquiatria e também da Psicologia Clínica, e se propõa descrever uma série de comportamentos que se desviam da normalidade, da média, do que é racionalmente aceitável. Tem relação com os diagnósticos de Depressão, Transtornos de Ansiedades, Esquizofrenias, Psicopatias, Sociopatias, e demais doenças presentes no Código Internacional de Doenças (CID-10). Existem faculdades que promovem excursões a Manicômios e CAPS. 

9. Psicossociologia do Trabalho

É a vertente da Psicologia que estuda o impacto que as variáveis individuais e sociais tem sobre o comportamento dentro das empresas. É, portanto, uma Psicologia voltada às organizações (que buscam a produção e o lucro), mas que também está voltada para o indivíduo que nelas trabalham (que, para produzir, precisa estar satisfeito, motivado, interessado e capacitado). Assim, esta matéria abarca o estudo acerca da relação que o ser humano tem com o seu trabalho, os sitemas de recompensa, as representações, o sentido que o homem e a sociedade dá ao trabalho, os sentimentos que estão envolvidos, a dinâmica, o prazer, o sofrimento, e também os conceitos e métodos para o melhor recrutamento e seleção de pessoas

10. Orientação Profissional

Estuda os fatores que influenciam na escolha profissional das pessoas, sobretudo dos adolescentes: influência familiar, cultural, social, e históricas. Está muito voltada a aplicação de testes e dinâmicas que promovem o autoconhecimento do indivíduo, de modo que o mesmo possa decidir sobre sua carreira (e sua vida) sem tomar como base estas influências, mas sim as suas reais aptidões, desejos e gostos - ou seja, busca fazer com que a pessoa faça uma escolha consciente, de modo a evitar sofrimentos no mundo do trabalho. Existem faculdades que possuem vínculos com instituições de ensino, de modo que os alunos da graduação podem realizar as práticas.    

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Trechos de Livros #2 - Mulheres que Correm com os Lobos (parte 1)

Os melhores trechos de Clarissa Pinkola Estés em Mulheres que Correm com os Lobos - Parte 1

“(…) a grande tarefa diante de nós consiste em aprender a compreender à nossa volta e dentro de nós exatamente o que deve viver e o que deve morrer. Nossa tarefa reside em captar a situação temporal de cada um: permitir a morte `aquilo que deve morrer, e a vida ao que deve viver.” (p.47)

“Nós todos nascemos Anlagen, como o potencial no núcleo de uma célula: em biologia, a Anlage é a parte da célula caracterizada como “aquilo que se tornará”. Dentro da Anlage está a substância fundamental que, com o tempo, irá se desenvolver fazendo com que nos tornemos uma pessoa inteira.” (p.67)

“No processo natural do amadurecimento, a mãe-boa-demais deve se tornar cada vez mais rarefeita, deve definhar até que nos descubramos sós para cuidar de nós mesmas de um novo modo. Embora sempre mantenhamos uma essência do seu  carinho, essa transição psíquica natural nos deixa sós num mundo que não é maternal conosco.” (p.99)

Ter um companheiro/amigo que a considere como uma criatura viva em crescimento, tanto quanto uma árvore cresce a partir do chão, uma planta ornamental dentro de casa ou um roseiral no quintal... ter um companheiro e amigos que a considerem um verdadeiro ser que vive e respira, que é humano mas também composto de elementos delicados, úmidos e mágicos... um companheiro e amigos que apoiem a criatura que existe em você... São essas as pessoas por quem você está procurando. Elas serão amigas da sua alma pela vida afora." (p.131)

"É fato que dentro de um único relacionamento amoroso existem muitos finais. Mesmo assim, de algum modo e em algum ponto na delicadas camadas do ser criado quando duas pessoas se amam, existe um coração e um alento. Enquanto um coração esvazia, o outro enche. Quando uma respiração termina, outra se inicia” (p.158)

"Uma parte de cada mulher e de cada homem resiste ao reconhecimento de que a morte deve participar de todos os relacionamentos de amor. Nós fingimos que podemos amar sem que morram nossas ilusões acerca do amor, fingimos que podemos prosseguir sem que morram nossas expectativas superficiais, fingimos que podemos ir em frente e que nossas emoções preferidas nunca morrerão. No amor, porém, em termos psíquicos, tudo é dissecado, tudo. (p.164)

Sem uma tarefa desafiadora, não pode haver transformação. Sem uma tarefa, não há uma satisfação verdadeira. Amar os prazeres é fácil. Já amar de verdade exige um herói que consiga controlar seu próprio medo.” (p.170)

"Na fantasia dos pais, qualquer dos filhos que tenham será perfeito e refletirá apenas o jeito de ser dos pais. Se a criança for rebelde, ela pode, infelizmente, ser alvo de repetidas tentativas dos pais no sentido de realizar uma cirurgia psíquica, pois eles estarão tentando remodelar a criança e, mais do que isso, alterar o que a alma da criança exige dela mesma. (p.201)

"(...) mesmo que a mãe fraqueje, o rebento pode sobreviver. É esse o modelo psíquico e a esperança para aquelas que tiveram pouco ou nenhum cuidado materno, bem como para as que sofreram cuidados torturantes. Muito embora a mãe de certo modo esteja acabada, muito embora ela não tenha mais nada a oferecer, os rebentos irão sei desenvolver, crescer independentes, e ainda vicejar." (p.210)

"Mesmo que tenhamos apenas ouvido falar de um maravilhoso mundo selvagem ao qual um dia pertencemos, apenas vislumbrado esse mundo ou sonhado com ele, mesmo que até agora nós ainda não o tenhamos tocado ou apenas o tenhamos tocado momentaneamente, mesmo que nós não nos identifiquemos como parte dele, a recordação desse mundo é um farol que nos guia para o lugar ao qual pertencemos, pelo resto de nossas vidas." (p. 218)

"A principal característica da natureza selvagem é a persistência. A perseverança. Isso não é algo que se faça. É algo que se é, em termos naturais e inatos. Quando não temos condição de vicejar, seguimos adiante até podermos voltar a vicejar. Seja o nosso isolamento originado de um afastamento da nossa vida criativa, seja uma cultura ou uma religião que nos rejeitou, seja um exílio da família, um banimento de um grupo, seja a imposição de sanções a nossos movimentos, pensamentos e sentimentos, a vida selvagem profunda continua, e nós persistimos." (p. 219)

"É difícil passar anos a fio na companhia que quem não pode nos ajudar a florescer. Ser capaz de dizer que sobrevivemos é um feito. Para muitas, o poder está na própria palabra. No entando, chega uma hora no processo de formação da identidade em que a ameaça, ou o trauma, já faz parte do pasado. É então que se passa ao próximo estágio da sobrevivencia, à cura e ao desenvolvimento futuro. Se permanecermos no estágio de sobreviventes sem avançar para o desenvolvimento, estaremos nos limitando, reduzindo nossa energía para nós mesmas e nosso poder no mundo a menos da metade.  (…) Às vezes, as pessoas têm medo de proseguir além do status de sobrevivente, pois é exatamente isso o que ele é – um status, um marco de distinção, uma realização “pura e simples, pode apostar, pode acreditar”. (p.226

domingo, 21 de fevereiro de 2016

Por quê você deve ler Mulheres que Correm com os Lobos

O livro “Mulheres que Correm com os Lobos: Mitos e Histórias do Arquétipo da Mulher Selvagem” é, sem sombra de dúvidas, o meu livro favorito no mundo. Chegou até mim por meio de uma professora da graduação de Psicologia e agora ele é a minha Bíblia, o meu Alcorão e o meu Mantra Sagrado. É um destes livros transformadores, que muda completamente sua maneira de ser e de agir. Penso que é leitura obrigatória para todas as mulheres, pois é impossível não se identificar de algum modo com algum dos capítulos.

A autora, Clarissa Pínkola Estés, é doutora em Psicología Analítica Junguiana e Etnoclínica, além de contadora de histórias, seu principal mecanismo de cura dos pacientes. Para ela, as histórias tem força e possuem ricas instruções de orientação nas complexidades da vida.

Nesta obra, ela fala sobre a semelhança que as mulheres tem com os lobos: ambos possuem a percepção aguçada, o espírito brincalhão, a capacidade para a devoção, são sociáveis, curiosos, fortes, intuitivos, tem grande preocupação para com seus filhores, seus parceiros e sua matilha. Além disso, são determinados, corajosos e se adaptam às circunstâncias em constante mutação. No entanto, as duas espécias sofreram perseguições ao longo da história e a ambas lhes foram atribuídos julgamentos que não eram verdadeiros. Por conta disso, pouco a pouco as mulheres foram perdendo seus instintos naturais e sofreram sucessivas “feridas na alma”, de modo que mulheres apertadas em  cintas, contidas e discretas passaram a ser consideradas “corretas”, enquanto àquelas que conseguiam fugir da coleira eram consideradas “rebeldes”. E assim seguimos até hoje.
O objetivo desta obra, então, é desconstruir esta imagem e, sobretudo, “dar coragem”(pág.35) àquelas que necessitam libertar o arquétipo da Mulher Selvagem (seus instintos naturais) de dentro delas. Ou seja, é destinado a todas as mulheres que se sentem cansadas, fracas, depressivas, confusas, presas, caladas, desestimuladas, assustadas, sem significado, inseguras, incapazes de realizações, que entregam a própria criatividade para outros, que escolhem parceiros, empregos ou amizades que lhes esgotam a energia, que se sentem incapazes de fixar limites e que sofrem por não viverem de acordo com seus próprios ciclos.
Dentre os temas abordados no livro, alguns me fazem amá-lo mais que outros:
  • La Loba” e “A Mulher Esqueleto” nos ensinam sobre o “ciclo vida-morte-vida”, que é o nosso grande aprendizado da vida: consiste em compreender exatamente o que deve viver e o que deve morrer - seja à nossa volta ou dentro de nós; 
  • O “Barba Azul” nos mostra que dentro de um único ser humano, existem outros muitos seres; que devemos conhecer quem são nossos predadores; e que devemos valorizar o poder de nossa intuição, de nossas idéias e de nós mesmas; 
  • A “Boneca Vasalisa” nos ensina que a mãe-boa-demais que levamos conosco, deve se tornar cada vez mas fraca em nosso processo natural de amadurecimento, para que descubramos como tomar conta de nós mesmas num mundo que não é maternal;
  • O “Patinho Feio” nos fala sobre o que é ser diferente, sobre o que é buscar por seu próprio grupo, e nos fornece um grande aprendizado sobre o isolamento ou sobre fingir ser o que não se é… Dentre muitas outras histórias.
Trata-se de um livro denso, com mais de 520 páginas, porém muito rico. Sua leitura, no entanto, deve ser feita com muita calma, pois possui uma linguagem rebuscada, por vezes prolíxa. Minha recomendação é de que você tenha em mãos um marcador de texto, e que se preocupe mais em asimilar a essência de cada capítulo, que de terminar a leitura de todos o mais rápido possível. Você poderá encontrá-lo em qualquer livraria. Seu preço varia entre r$60,00 e R$70,00.